Os inconformados

sexta-feira, 20 de julho de 2012

A iluminação do Espírito

       Que os autores do Antigo e do Novo Testamento foram inspirados pelo Espírito Santo é uma parte da história, apenas. Além disto, Ele ilumina as mentes e abre os corações dos leitores. Achamos as mais diversas reações espirituais à Palavra de Deus. Jeremias disse: "Achadas as tuas palavras, logo as comi; as tuas palavras me foram gozo e alegria para o coração, pois pelo teu nome sou chamado, ó Senhor, Deus dos Exércitos" (Jer. 15:16). Isaías disse: "Seca-se a erva e cai a sua flor, mas a palavra do nosso Deus permanece eternamente" (Isa. 40:8).
Jesus advertiu os saduceus de quase dois mil anos atrás de que havia muitos erros em seus ensinos porque não conheciam as Escrituras e o poder de Deus (Mat. 22:29). Isto relaciona as Escrituras com o poder do Espírito Santo, que opera transformações através da Bíblia. E João registra as palavras de Jesus: "A Escritura não pode falhar" (João 10:35). Jesus disse também: "Vós já estais limpos, pela palavra que vos tenho falado" (João 15:3).
Constatamos que o Espírito Santo, através da Bíblia, não só nos transmite verdades doutrinarias ou históricas, Ele também a usa como meio de falar aos nossos corações. É por isso que insisto com as pessoas que estudem as Escrituras - entendam ou não completamente o que estão lendo. A leitura da Escritura em si possibilita a iluminação do Espírito e sua atuação em nós. Enquanto lemos a Palavra, sua mensagem enche os nossos corações, estando nós conscientes disto ou não. A Palavra, com todo o seu poder misterioso, toca em nossas vidas e nos dá do Seu poder.
Podemos ver isto, por exemplo, na afirmação de Paulo: "Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano o que Deus tem preparada para aqueles que o amam; mas Deus no-lo revelou pelo Espírito. .." (1 Cor. 2:9, 10).
Observe que Paulo não diz que Deus nos revela estas coisas por Sua Palavra (apesar de ser o lugar de as acharmos), mas Ele o faz pelo Espírito, através da Sua Palavra. "Nós não temos recebido o espírito deste mundo, mas o Espírito mandado por Deus, que nos faz entender tudo o que Deus nos tem dado" (1 Cor. 2:12).
O Rev. Gotttried Osei-Mensah, do Quênia, disse no Congresso de Evangelização de Lausanne em 1974: "Revelar verdades antes escoradas da busca e da compreensão humanas, iluminar as mentes das pessoas para que as conheçam e entendam (1 Cor. 2:9, 10) é obra do Espírito Santo." Se ensinar é função do Espírito, nossa obrigação é ser estudantes Sinceros da Palavra."
Eu experimentei isto, estudando as Escrituras. Coisas que talvez eu já conhecesse intelectualmente há anos se tornaram vivas para mim em todo o seu significado espiritual quase milagrosamente. Enquanto estudava as Escrituras aprendi também que o Espírito deixa brilhar cada vez mais a luz da Palavra. Quase cada vez que eu leio uma passagem que me é familiar há muito tempo descubro alguma coisa nova. Isto acontece porque a Palavra escrita de Deus é Palavra viva. Eu sempre me aproximo das Escrituras com a oração do salmista: "Abre os meus olhos para que eu posa ver as verdades maravilhosas da tua lei" (Salmo 119:18).
Billy Graham

quinta-feira, 19 de julho de 2012

O Esírito Santo inspirou as Escrituras

     Há centenas de passagens bíblicas que indicam, direta ou indiretamente, que o Espírito Santo inspirou os autores da Bíblia. Não sabemos com exatidão como Ele imprimiu Sua mensagem nas mentes dos que escolheu para escrever Sua Palavra, mas sabemos como Ele os dirigiu para que escrevessem o que Ele queria. "Porque nunca jamais qualquer profecia foi dada por vontade humana, entretanto homens falaram da parte de Deus movidos pelo Espírito Santo" (2 Pedro 1:21).
     Parece que cada livro da Bíblia surgiu de uma necessidade específica da época. Só que além de satisfazer uma necessidade local, Deus estava também olhando para o futuro mais distante. Ele fez com que a Bíblia servisse a todas as pessoas, em todas as épocas. Por isso os autores bíblicos escreviam às vezes sobre acontecimentos futuros que não entendiam muito bem, que discerniam só difusamente. Talvez Isaías não tenha compreendido muito bem o capítulo 53 de seu livro, dando detalhes do sofrimento de Jesus Cristo setecentos anos antes de Ele nascer. "Foi a respeito dessa salvação que os profetas indagaram e inquiriram, os quais profetizaram acerca da graça a vós outros destinada, investigando atentamente qual a ocasião ou quais as circunstâncias oportunas, indicadas pelo Espírito de Cristo, que neles estava, ao dar de antemão testemunho sobre os sofrimentos referentes a Cristo, e sobre as glórias que os seguiriam" (1 Pedro 1:10, 11).
     Através tanto do Antigo como do Novo Testamentos encontramos referências freqüentes ao Espírito de Deus, inspirando os que escreviam as Escrituras.
     A Bíblia ensina, por exemplo, que o Espírito falou através de DAVI, que escreveu muitos dos Salmos: "O Espírito do Senhor fala por meu intermédio, e a sua palavra está na minha língua" (2 Sam. 23:2).
     Ele falou também através do grande profeta JEREMIAS: "Na mente lhes imprimirei as minhas leis, também no coração lhas inscreverei; eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo. Não ensinará jamais cada um ao seu próximo, nem cada um a seu irmão, dizendo: Conhece ao Senhor, porque todos me conhecerão, desde o menor até o maior deles, diz o Senhor. Pois perdoarei as Suas iniqüidades, e dos Seus pecados jamais me lembrarei" (Jer. 31:33, 34).
     EZEQUIEL disse: "Então entrou em mim o Espírito, e me pôs em pé, falou comigo e me disse: Vai, encerra-te dentro da tua casa" (Ezeq. 3:24).
     O apóstolo PEDRO falou de "todas as coisas, de que Deu falou por boca dos seus santos profetas desde a antigüidade" (Atos 3:21).
     O livro aos HEBREUS cita a Lei (Heb. 9:6-8), os Profetas (Heb. 10:15-17) e os Salmos (Heb. 3:7-10), atribuindo a cada um destes grupos de livros a autora do Espírito Santo.
     JESUS assegurou aos Seus discípulos de antemão que o Espírito Santo inspiraria os autores do Novo Testamento: "O Espírito Santo... vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo o que vos tenho dito" (João 14:26). Isto abrange os quatro evangelhos, de Mateus a João. A afirmação de Jesus: "Ele vos guiará a toda a verdade" (João 16:13) se refere aos livros de Atos até Judas. "Vos anunciará as coisas que hão de vir" (João 16:13) inclui o Apocalipse e muitas outras passagens em todo o Novo Testamento. De forma que, como disse alguém, o Espírito de Deus literalmente habita na Escritura.
     O Espírito Santo não só inspirou os autores das Escrituras, mas também esteve por trás da solução dos 66 livros que o cânon da Bíblia compreende. Os livros que foram incluídos na Bíblia, ao contrário do que muitos pensam, não foram escolhidos simplesmente por homens, em algum concílio eclesiástico. O Espírito Santo agiu através de crentes cheios dEle, que selecionaram os 66 livros que temos em nossas Bíblias. Depois de anos, e até séculos, de discussão, oração, procura sincera, o cânon foi fechado. O Espírito Santo, enquanto atuava, não passou por cima dos processos humanos de seleção, mas agiu por meio deles.
Billy Graham

quarta-feira, 18 de julho de 2012

A atuação do Espírito: na vida do cristão

     Em primeiro lugar, o Espírito Santo ilumina a mente do cristão: "Deus no-lo revelou pelo Espírito; porque o Espírito a todas as coisas perscruta, até mesmo as profundezas de Deus" (l Cor. 2:10); "E não vos conformeis a este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente" (Rom. 12:2); "... e vos renoveis no espírito do vosso entendimento" (Efés. 4:23).
     John R. W. Stott diz em um pequeno livro que sublinha a importância de deixar Deus desenvolver e usar as nossas mentes convertidas: "Ninguém quer um cristianismo frio, intelectual, sem alegria. Isto, porém, significa que devamos evitar o "intelectualismo" a todo custo? ... Que as céus não permitam que conhecimento sem zelo substituam zelo sem conhecimento! Ambos fazem parte do propósito de Deus: zelo dirigido pelo conhecimento, conhecimento animada pela zelo. Uma vez ouvi Dr. John MacKay, naquele tempo diretor do Seminário Princeton, dizer: 'Entrega sem reflexão é fanatismo em ação. Mas reflexão sem entrega é a paralisia de qualquer ação.' "
    Dr. Stott enfatiza como os que dizem que o que importa no fim "não é doutrina, mas experiência" estão errados: " Isto é a mesma coisa que colocar a nossa experiência subjetiva acima da verdade de Deus revelada."4 É tarefa do Espírito Santo tirar o véu que Satanás pôs sobre as nossas mentes, e iluminá-las para que possamos entender as coisas de Deus. Ele faz isto especialmente quando lemos a Palavra de Deus, que o Espírito Santo inspirou.
     Em segundo lugar, o Espírito Santo, além de iluminar a mente do cristão, também mora em seu corpo. "Vocês não sabem que o corpo é o templo do Espírito santo que vive em vocês e foi dado por Deus? Vocês não pertencem a vocês mesmos" (1 Cor. 6:19).
     Se nós compreendêssemos que o próprio Deus, na pessoa do Espírito Santo, realmente mora em nossos corpos, teríamos mais cuidado com o que comemos, bebemos, olhamos ou lemos. Não é de se admirar que Paulo tenha dão: "Mas esmurro o meu corpo, e o reduzo à escravidão, para que, tenda pregado a outros, não venha eu mesmo a Ser desqualificado" (1 Cor. 9:27). Paulo disciplinava o seu corpo, para não cair no desagrado de Deus. Isto deveria nos colocar de joelhos para confessar.
     Não preciso estender-me sobre como o Espírito Santo age na vida dos crentes. Por exemplo: Ele os conforta (Atos 9:31), Ele os guia (João 16:13). Ele os santifica (Rom. 15:16), Ele diz aos Seus servos o que devem pregar (1 Cor. 2:13), Ele diz a missionários para onde devem ir (Atos 13:2), Ele nos ajuda em nossas fraquezas (Rom. 8:26), e Ele até diz aos cremes onde eles não devem ir (Atos 16:6, 7).
     Resumindo em poucas palavras, a atuação do Espírito Santo entre os homens nos três períodos da história humana pode ser definida com três palavras: "sobre" "com" e "em".
     §     No Antigo Testamento Ele veio sobre algumas pessoas à Sua escolha, permanecendo por um tempo determinado (Juízes 14:19).
     §     Os evangelhos mostram como Ele mora com os discípulos, na pessoa de Cristo (João 14:17).
     §     Do segundo capítulo de Atos em diante a Bíblia diz que Ele está no povo de Deus (1 Cor. 6:19).
Billy Graham

terça-feira, 17 de julho de 2012

A atuação do Espírito: na igreja

     O Espírito Santo age não só no mundo, mas também na Igreja. Quando eu falo de Igreja, não estou falando da Igreja Presbiteriana, Batista, Metodista, Anglicana, Luterana, Pentecostal ou Católica, mas de todos os crentes. A palavra "Igreja" vem de uma palavra no grego que significa "os que foram reunidos".
     A Igreja estava coberta de mistério no Antigo Testamento, mas mesmo assim Isaías proclamou: "Portanto assim diz o Senhor Deus: Eis que ponho em Sião como alicerce uma pedra, uma pedra provada, pedra preciosa de esquina, de firme fundamento" (Isa. 28:16, IBB). O Novo Testamento diz que Cristo é este "firme fundamento" da Sua Igreja, e que todos os crentes são pequenas pedras edificadas formando o santo templo do Senhor (1 Pedro 2:51. Cristo também é a cabeça do Seu corpo, a Igreja universal. E é a cabeça de cada congregação de crentes local. Cada pessoa que se arrependeu de seu pecado e recebeu a Cristo como Salvador e Senhor faz parte deste corpo chamado de Igreja. Por isso a Igreja é mais que uma organização religiosa. É um corpo vivo, com Cristo como cabeça, vivo porque a vida de Cristo deu vida a todos que creram.
     Qual é o papel do Espírito Santo neste quadro?
     Em primeiro lugar a Bíblia nos diz numa sentença muito bonita que foi Ele que deu início à Igreja: "Pois, em um só Espírito, todos nós fomos batizados em um corpo, quer judeus, quer gregos, quer escravos, quer livres. E a todos nó foi dado beber de um só Espírito. Porque também o corpo não é um só membro, mas muitos" (1 Cor. 12:13,14).
     Em segundo lugar, pelo Espírito Deus vive na Igreja. "Assim também vocês, em união com Cristo, são construídos, junto com os outros, para se tornarem uma casa, casa onde Deus vive por meio do Seu Espírito" (Efés. 2:22).
     Hoje em dia Deus não vive em templos feitos por mãos humanas. Mas Se reconhecermos que Deus está mesmo, pessoalmente, em nosso meio quando estamos reunidos na igreja, nossa adoração será mais profunda.
     É preciso esclarecer uma questão sobre o relacionamento entre o Espírito Santo e Jesus. A Escritura fala de "Cristo em nós", e alguns cristãos não compreendem completamente o que isto significa. Jesus, Homem-Deus, tem agora um corpo glorificado. Onde quer que Ele esteja, Seu corpo tem de estar também. Neste sentido Jesus está agora à direita do Pai, no céu, em sua função como Segunda pessoa da Trindade.
     Os crentes são de fato a casa onde mora o Espírito. Mas, infelizmente, muitas vezes lhes falta o fruto do Espírito. Precisam ser avivados, receber nova vida. Quem me fez ver isto com toda a clareza foi o bispo Festo Kivengere. Em um artigo sobre reavivamentos de grande alcance que percorreram a África Oriental, ele disse:
     
 "Quero contar-lhes ... da gloriosa atuação do Espírito Santo, trazendo vida nova a uma igreja morta... Podem chamá-lo de reavivamento, regeneração ou o que quiserem ... O Senhor Jesus, ressurreto em poder, começou, através do poder do Espírito Santo, a visitar uma igreja que estava dispersa como ossos ... Isto pode soar surpreendente para alguns de vocês, mas vocês podem ser evangélicos e secos mesmo assim. E então veio Jesus Cristo. ... O grande poder que nos atraiu veio pela simples apresentação do Novo Testamento, e o Espírito Santo tirou homens e mulheres do seu isolamento e nos trouxe para o centro, a cruz. O tema do reavivamento da África Oriental foi a cruz, e nós precisávamos dela. ... O Espírito Santo arrancou homens e mulheres do seu isolamento, e nos transformou. Sob o olhar penetrante do amor de Deus pecados eram pecados, e os corações foram quebrantados."

     Em terceiro lugar o Espírito Santo concede dons a pessoas específicas na Igreja. "Para o aperfeiçoamento dos santos para o desempenho do Seu Serviço, para a deificação do corpo de Cristo" (Efés. 4:12). Nenhum cristão pare dizer: "Eu não tenho nenhum dom." Cada um tem pelo menos um dom do Espírito. Uma das fraquezas das igrejas de nossos dias é não reconhecer, desenvolver e usar os dons que Deus deu às pessoas nos bancos.
     Eu tenho um amigo que é pastor na costa ocidental dos EUA. Certo domingo ele distribuiu pedaços de papel em branco às pessoas que vieram ao culto, dizendo: "Eu quero que vocês estudem, pensem e orem durante uma semana sobre que dom vocês têm do Espírito Santo. Escrevam-no neste papel, e devolvam-no domingo que vem." No domingo seguinte foram recolhidos 400 pedaços de papel. Em alguns estava escrito só um dom, em outros dois ou três, e alguns tinham escrito que não tinham certeza sobre qual seria o seu dom. Mas o resultado foi que toda a congregação foi posta em movimento. Todos os dons foram sendo colocados em prática. A igreja começou a crescer, e os membros foram revitalizados espiritualmente. Até aquele dia os membros estavam esperando que a pastor tivesse todos os dons e fizesse todo o trabalho. Eles eram simples espectadores. Agora tinham compreendido que eles tinham tanta responsabilidade de usar os dons como o pastor tinha de usar os dele.
Billy Graham

segunda-feira, 16 de julho de 2012

A atuação do Espírito: Pentecostes até hoje

A Atuação do Espírito de Pentecostes até Hoje
      Em Atos Lucas relata a ascensão de Jesus ao céu (Atos 1:9-11). No capítulo 2 ele destaca a descida do Espírito Santo à terra (Atos 2:1-4). Jesus tinha dito: "Se eu não for, o Consolador (Espírito Santo) não virá para vós outros; se, porém eu for, eu vo-lo enviarei" (João 16:7). Foi em cumprimento desta promessa que Pedro disse a respeito do Cristo glorificado: "Exaltado, pois, à destra de Deus, tendo recebido do Pai a promessa do Espírito Santo, derramou isto que vedes e ouvis" (Atos 2:33).

     Há muitos anos um famoso explorador do Ártico partiu com uma expedição para o Polo Norte. Depois de caminhar dois anos por aquela região desolada ele escreveu uma curta mensagem, amarrou-a no pé de um pombo-correio, e preparou-se para soltá-lo, para que fizesse a longa viagem de mais de três mil quilômetros até a Noruega. O explorador olhou para a solidão ao seu redor. Nenhum ser vivo, até onde seus olhos podiam alcançar. Nada além de gelo, neve e um frio incrível. Segurou a ave trêmula em suas mãos por alguns instantes e depois soltou-a na atmosfera gelada. O pombo deu três voltas, e depois partiu em direção ao Sul, sobrevoando centenas de quilômetros de gelo e mar, até descer junto à esposa do explorador. Com a chegada do pombo-correio, esta sabia que estava tudo bem com seu marido na longa noite do Ártico.

     Da mesma forma a vinda do Espírito Santo, a Pomba Celeste, provou aos discípulos que Cristo tinha entrado no santuário celestial. Tinha se assentado à direita de Deus Pai, porque Sua obra redentora estava concluída. A chegada do Espírito Santo cumpriu a promessa que Cristo tinha feito; também testemunhou que a justiça de Deus tinha sido feita. Tinha-se iniciado a era do Espírito Santo, que não podia começar antes que Cristo fosse glorificado.
     Sem dúvida a vinda do Espírito Santo em Pentecostes marcou uma mudança crucial na maneira de Deus se relacionar com a raça humana. É um dos cinco acontecimentos passados, todos eles componentes básicos do evangelho cristão: a encarnação, a redenção, a ressurreição, a ascensão e Pentecostes. O sexto componente ainda está para ser realizado: a Segunda Vinda de Jesus.
     O primeiro acontecimento básico, a encarnação, marcou a entrada redentora de Deus na vida humana, como verdadeiro homem. O segundo acontecimento foi a maneira de Deus permanecer justo e mesmo assim justificar homens culpados – a redenção. O terceiro, a ressurreição, demonstrou que os três grandes inimigos do ser humano – a morte, Satanás e o inferno tinham recebido o golpe de misericórdia. O quarto – a ascensão – mostrou que o Pai tinha aceito a obra redentora do Filho, e que as exigências da Sua justiça tinham sido cumpridas. O quinto evento, o Pentecostes, nos assegura que o Espírito de Deus veio para realizar Seus propósitos no mundo, na Igreja e no crente individual!
     O calendário judaico estava orientado em diversas festas durante o ano. As três mais importantes eram as em que todos do sexo masculino deveriam comparecer perante o Senhor (Deut. 16:16). Estas três festas eram a Páscoa, o Festa dos Tabernáculos e Pentecostes.
     "A Festa da Páscoa" comemorava o dia em que os israelitas foram libertados milagrosamente de um longo período de escravidão no Egito. Depois de matarem um cordeiro "sem defeito" (Êxodo 12:5) os israelitas passaram o sangue nas portas de todas as suas casas, e assaram e comeram os cordeiros. O sangue do cordeiro livrou-os do julgamento de Deus. A páscoa do Antigo Testamento teve Seu cumprimento final na marte de Cristo no Calvário, "pois Cristo, nosso Cordeiro pascal, foi imolado" (1 Cor. 5:7). O livro aos Hebreus nos ensina que devido a isto não há mais necessidade de sacrificar o sangue de novilhos e bodes. Jesus Cristo, de uma vez por todas, ofereceu a Si mesmo pela salvação de todos os homens, derramando Seu sangue.
     "A Festa dos Tabernáculos" (a palavra que nós usaríamos hoje seria "cabana" ou "tenda") lembrava Israel dos dias do êxodo do Egito, quando as pessoas não viviam em casas mas em cabanas feitas de ramos de árvores. A festa era celebrada depois da colheita, por isso é chamada de "Festa da Colheita" em Êxodo 23:16. Talvez a comemoração da libertação do Egito tenha sido cumprida na libertação e bênção muito mais ampla que veio com a redenção em Cristo. João 7:38 sugere que a vinda do Espírito Santo mata mais a sede que a água no deserto e a chuva necessária para a colheita.
     Pentecostes ficou conhecida como "A Festa das Semanas", porque era comemorada no dia seguinte ao sétimo sábado depois da Páscoa – uma semana de semanas. Como isto perfaz 50 dias, o nome passou a ser "Pentecostes", a palavra grega para "qüinquagésimo". A Festa de Pentecostes era celebrada no início da colheita; em Números 28:26 é chamada de "dia das primícias (primeiros frutos)". E é verdade que o dia de Pentecostes, quando veio o Espírito Santo, no Novo Testamento, foi um dia de "primeiros frutos" o início da colheita de Deus neste mundo, que será completada quando Cristo vier de novo. Pentecostes no Novo Testamento marcou o início da presente era do Espírito santo. Os crentes estão sob Sua direção assim como os discípulos eram guiados por Jesus. Jesus ainda exerce Seu senhorio sobre nós do céu, mas como Ele não pode estar conosco fisicamente, Ele transmite Suas instruções através do Espírito Santo, que faz Cristo ser uma realidade em nós. Desde Pentecostes o Espírito Santo é o elo de ligação entre a primeira e a Segunda Vinda de Jesus. Ele aplica a obra de Jesus Cristo aos homens da nossa época, como veremos nas próximas páginas.
     Pouco depois de me tornar cristão, quando comecei a pesquisar sobre o Espírito Santo, uma das primeiras perguntas que eu me fiz foi esta: Por que o Espírito Santo teve de vir? Não demorei a achar a resposta. Ele veio porque tinha uma obra a fazer no mundo, na Igreja e no cristão individual.
Billy Graham 

sexta-feira, 13 de julho de 2012

A atuação do Espírito - de Belém até Pentecostes

A Atuação do Espírito de Belém até Pentecostes
Durante o período de tempo abrangido pelos quatro evangelhos a atuação do Espírito Santo estava centralizada na pessoa de Jesus Cristo. O Homem-Deus foi concebido pelo Espírito (Lucas 1:35), batizado pelo Espírito (João 1:32, 33), guiado pelo Espírito (Lucas 4:1), ungido pelo Espírito (Lucas 4:18; Atos10:38), revestido com poder pelo Espírito (Mat. 12:27, 28). Ofereceu a Si mesmo como expiação pelo pecado, pelo Espírito (Heb. 9:14), foi ressuscitado pelo Espírito (Rom. 8:11) e deu mandamentos por intermédio do Espírito (Atos 1:2).
Sem sombra de dúvida uma das passagens bíblicas que inspiram mais admiração é a que relata o que o anjo disse a Maria: "Descerá sobre ti o Espírito Santo e o poder do Altíssimo te envolverá com a sua sombra; por isso também o ente santo que há de nascer, será chamado Filho de Deus" (Lucas 1:35). Pessoas excessivamente céticas e outras com uma visão muito limitada da ciência zombarão em total descrença, mas o anjo desfez qualquer dúvida quando disse: "Porque para Deus nada é impossível" (Lucas1:37).
Para os cristãos qualquer sugestão de que Deus Espírito Santo não seria capaz de concretizar o nascimento virginal é absurda. Se crermos que Deus é Deus – e que Ele governa Seu universo – não há nada difícil demais para Seu poder ilimitado. E Deus sempre faz o que quer. Quando planejou o nascimento do Messias, fez um milagre. Pulou um degrau na seqüência fisiológica normal da concepção: nenhum ser humano masculino participou. A vida formada no ventre da virgem não era outra que a vida de Deus Filho encarnada em um corpo humano. O nascimento virginal foi um milagre tão extraordinário, que era óbvio que Deus estava operando a encarnação, e não o homem. Há hoje em dia alguns assim chamados teólogos que negam a encarnação – rejeitam a divindade de Jesus Cristo. Com isto estão muito perto de blasfemarem contra o Espírito Santo!
O Espírito Santo também estava agindo nos discípulos de Jesus antes do Pentecostes. Sabemos isto porque Jesus disse deles: "Ele (o Espírito Santo) habita convosco" (João 14:17). Jesus também disse a Nicodemos: "Quem não nascer da água e da Espírito, não pode entrar no reino de Deus" (João 3:5). Logo depois repetiu: "Importa-vos nascer de nova" (João 3:7).
No entanto, a atuação do Espírito nos homens no tempo de Jesus era diferente da Sua atuação hoje. Em João 7:39 o apóstolo João nos diz das palavras de Jesus: "Isto ele disse com respeito ao Espírito que haviam de receber os que nele cressem; pois o Espírito até este momento não fora dado, porque Jesus não havia sido ainda glorificado."
A Bíblia não revela claramente qual era a diferença. Mas sabemos que a vinda do Espírito no dia de Pentecostes foi algo muito mais extasiante que qualquer outra experiência anterior que eles tinham tido. De qualquer forma, vimos que o Espírito Santo estava atuando de diversas maneiras no nascimento e na vida do nosso Senhor Jesus Cristo e nas vidas e no ministério dos Seus discípulos.
Billy Graham

quinta-feira, 12 de julho de 2012

A atuação do Espírito - da criação até Belém

A Atuação do Espírito Desde a Criação até Belém
     De acordo com Gênesis1:2, "a terra era sem forma e vazia; havia trevas sobre a face do abismo". O Espírito de Deus pairava por sobre as águas".
     Algumas versões trazem "mover-se", mas a palavra hebraica é "estar sobre", assim como uma galinha fica sobre seus ovos para chocá-los e trazer nova vida ao mundo; da mesma forma o Espírito Santo pairou sobre a criação original de Deus para encher seu vazio com as várias formas de vida, de onde resultou o relato de Gênesis 1 e 2. Assim, desde o princípio o Espírito Santo estava ativo na criação, junto com o Pai e o Filho.
     Quando Deus "formou o homem do pó da terra" (Gên. 2:7), o Espírito Santo estava envolvido. Isto poremos concluir indiretamente de Jó 33:4: "O Espírito de Deus me fez; e o sopro do Todo-Poderoso me dá vida." Um jogo de palavras aqui mostra como o Espirito de Deus e a nossa respiração estão intimamente relacionados: "Espírito" e "sopro" no hebraico são a mesma palavra.
     Gênesis 2:7 diz que o Senhor Deus "lhe soprou nas narinas o fôlego de vida, e o homem passou a ser alma vivente". Embora a palavra "fôlego" não seja aqui a mesma que significa Espírito, é claro, de acordo com esta passagem, que o homem deve sua vida a Deus. E o sopro de Deus que "deu partida" no homem para sua peregrinação terrena foi de fato o Espírito Santo, como Jó 33:4 deixa claro.
     O Salmo 104:30 nos leva um passo adiante na compreensão do papel do Espírito na criação. O Espírito não só colaborou na formação da terra e do primeiro ser humano, mas Ele é sempre o criador da vida. "Envias (Deus) o teu Espírito, eles são criados, e assim renovas a face da terra." Quem do os "eles" que o Espírito cria? Todo o Salmo o explica, mas nos versículos 18-26 vemos que estão incluídos cabras selvagens e coelhos do mato (V. 18), animais selvagens como leõezinhos (v.20, 21), o homem (v.23) e tudo que vive sobre a terra ou no mar (Vs. 24, 25).
     No Antigo Testamento, uma mulher casada que não conseguia ter filhos, sabendo que quem dá a vida é o Espírito, ia ao tabernáculo ou ao templo. Lá, ou ela orava ou o sacerdote pedia a Deus que abrisse o seu ventre. Bem, uma mulher assim conhecia as realidades básicas da vida como nós também, mesmo não tendo um conhecimento científico do processo de gestação como nós hoje. Mesmo para nós ainda é um mistério da natureza que um espermatozóide possa penetrar num óvulo e iniciar urna nova vida. Esta é simplesmente urna maneira médica ou biológica para descrever o toque da mão de Deus na criação de uma nova vida.
    O Salmo 104:30 diz mais do que isto, que devemos nossa criação ao Espírito. Ele também renova a face da terra. Deus alimento o que cria.
     Os crentes do Antigo Testamento tinham a convicção, e com razão, de que Deus tinha algo a ver com plantação e colheita. Uma boa colheita era atribuída a Ele. "Fazes crescer a relva para os animais, e as plantas para o serviço do homem, de sorte que da terra tire o seu pão" (Salmo 104.14). Em Deuteronômio 28 são relacionadas as condições para bênção ou maldição da terra prometida. Se Israel obedecesse a Deus, tinha a promessa: "Bendito o fruto do teu ventre, e o fruto da tua terra", e "o Senhor te dará abundância . . . no fruto do teu solo" (Deut. 28:4, 11). A Festa das Primícias que Israel comemorava reconhecia formalmente que Deus era responsável pela abundância. Hoje, curvando nossas cabeças à mesa para agradecer a Deus pelos alimentos, continuamos reconhecendo Deus como Aquele que nos sustenta.
     Todavia, Deus abençoa e amaldiçoa, liberta e castiga. Diversas vezes o Antigo Testamento atribui a salvação de Israel ao Espírito de Deus. Ele agiu nas pessoas antes do dilúvio (Gên. 6:3). Eu creio que Ele está agindo nas pessoas hoje exatamente como antes do dilúvio. Jesus disse: "Assim como foi nos dias de Noé, será também nos dias do Filho do Homem" (Lucas 17:26). As mesmas perversões doentias, a mesma decadência e corrupção moral predominam hoje em dia. O Espírito Santo está agindo poderosamente, mas a grande maioria da raça humana não quer ouvir.
     Depois, de tempo em tempo o Espírito Santo tomou posse de diversas pessoas para libertar o povo de Deus. Por exemplo somente no livro de Juízes Ele veia sobre Otniel (Jz 3:10), Gideão (16:34), Jefté (11:29) e Sansão (13:25).
    
     Há no Antigo Testamento três expressões principais para a atuação do Espírito Santo nas pessoas:
     1)  Ele vinha sobre alguém: "O Espírito de Deus se apoderou de Zacarias (2 Crôn. 24:20).
     2)  Ele repousava sobre alguém: "O Espírito repousou sobre eles" (Núm. 11:25).
     3)  Ele enchia alguém: "Eu o enchi do Espírito de Deus" (Êxodo 31:3).
     O Espírito não só usou juízes e profetas para libertar Israel, mas também reis. Estes eram ungidos com óleo, símbolo de que eles estavam sendo revestidos com o poder do Espírito Santo, como podemos ver na unção de Davi por Samuel, em 1 Sam. 16:13: ". . . daquele dia em diante o Espírito do Senhor se apossou de Davi."
     No versículo seguinte nos deparamos com uma afirmação solene. No livro de Juizes geralmente o Espírito Se retirava depois de a pessoa escolhida concluir a sua obra. Aqui vemos que Ele pord retirar-se também quando esta pessoa desobedecia. l Sm. 16:14 diz isto de Saul, e comparando Juízes 14:19 com 16:14 vemos que aconteceu a mesma coisa a Sansão. No uso de Davi, vemos até em suas orações como ele se preocupava com a retirada do Espírito: "Não me repulses da tua presença, nem me retires o teu Santo Espírito."
      A grande libertação que Deus providenciou, é claro, não veio com um rei ungido por homens, mas com o Messias, título que significa "Ungido". Isaías escreveu profeticamente que o Messias diria: "O Espírito do Senhor Deus está sobre mim, porque o Senhor me ungiu" (Isa. 61:1). Jesus, lendo esta passagem 800 anos depois na sinagoga, disse: "Hoje Se cumpriu a Escritura que acabais de ouvir" (Lucas 4:21).
     Em resumo, o Espírito Santo estava agindo antes de o mundo começar. Depois Ele renovava e alimentava Sua criação. Estava ativo em todo o Antigo Testamento, tanto na natureza como no meio do Seu povo, guiando-o e libertando-o através de juízes, profetas, reis e outras pessoas. E falou daquele dia em que viria o Ungido.
Billy Graham

quarta-feira, 11 de julho de 2012

O Espírito Santo é uma Pessoa Divina

     Ele é uma Pessoa, com todos os atributos de uma personalidade. Mas não é só Pessoa; também é divino.
     O Espírito Santo é uma Pessoa Divina: Ele é Deus
     Em toda a Bíblia poremos ver claramente que o Espírito Santo é o próprio Deus. Isto poremos deduzir dos atributos que a Escritura Lhe confere. Estes atributos, sem exceção, são os da próprio Deus.
     Ele é eterno: Isto significa que nunca houve um momento em que Ele não existiu. "Muito mais o sangue de Cristo que, pelo Espírito eterno, a si mesmo se ofereceu sem mácula a Deus, purificará a nossa consciência de obras mortas para servirmos ao Deus vivo!" (Heb. 9:14).
     Ele é Todo-Poderoso: "Respondeu-lhe o anjo: Descerá sobre ti o Espírito Santo, e a poder do Altíssimo te envolverá com a sua sombra; por isso também o ente santo que há de nascer, será chamada Filho de Deus" (Lucas 1:35).
     Ele é Onipresente (está em todo lugar ao mesmo tempo): "Para onde me irei do teu Espírito, ou para onde fugirei da tua presença?" (Salmo 139:7).
     Ele sabe tudo (é onisciente): "Mas Deus no-lo revelou pelo Espírito; parque o Espírito a todas estas coisas perscruta, até mesmo as profundezas de Deus. Porque, qual dos homens sabe as coisas do homem, senão o seu próprio espírito que nele está? Assim também as coisas de Deus ninguém as conhece, senão o Espírito de Deus" (I Cor. 2:10, 11).
     Ele é chamado Deus: "Então disse Pedro: Ananias, por que encheu Satanás o teu coração, para que mentisses ao Espírito Santo, reservando parte do valor do campo? Conservando-o, porventura, não seria teu? E, vendido, não estaria em teu poder? Como, pois, assentaste no coração este desígnio? Não mentiste aos homens, mas a Deus" (Atos 5:3, 4, grifo meu).
     "E todos nós com o rosto desvendado, contemplando, como por espelho, a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória, na sua própria imagem, como pelo Senhor, o Espírito" (2 Cor. 3:18).
     Ele é o Criador: A primeira referência bíblica ao Espírito Santo está em Gênesis 1:2, onde lemos: "O Espírito de Deus pairava por sobre as águas". No entanto, Gên. 1:1 diz: "No princípio criou Deus os céus e a terra". E em Colossenses 1, escrevendo à Igreja de Colossos sobre o Senhor Jesus Cristo, no meio de outras grandes verdades Paulo nos diz. "Nele foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele. Ele é antes de todas as coisas. Nele tudo subsiste" (é conservado em ordem e harmonia) (Col. 1:16, 17).
     Assim, Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo estavam juntos criando o mundo. É da máxima importância para todos os cristãos compreender e aceitar estes fatos, tanto na teologia como na prática.
Billy Graham

terça-feira, 10 de julho de 2012

O Espírito Santo é uma pessoa

     Olá,
     Nos próximos posts reproduzirei aqui, trechos do livro "O Poder do Espírito Santo" de Billy Graham. Espero em Deus que você seja edificado e alimentado por este Espírito.

O Espírito Santo é uma Pessoa
     A Bíblia ensina que o Espírito Santo é uma pessoa. Jesus nunca chamou o Espírito Santo de "isto" quando falava dEle. Em João 14, 15 e 16, por exemplo, Jesus falou do Espírito Santo como "Ele", porque Ele não é uma força ou uma coisa, mas uma pessoa. Falta instrução ou mesmo discernimento a alguém que trata o Espírito Santo como "isto".
     Na Bíblia vermos que o Espírito Santo tem intelecto, emoções e vontade. Além disto, a Bíblia diz que Ele faz coisas que uma força não faria, somente uma pessoa real.
     Ele fala: "Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas, Ao vencedor dar-lhe-ei que se alimente da árvore da vida que se encontra no paraíso de Deus" (Apoc. 2:7).
     "E, servindo eles ao Senhor, e jejuando, disse o Espírito Santo: separai-me agora a Barnabé e a Saulo para a obra a que os tenho chamado" (Atos 13:2).
     Ele intercede: "Do mesmo modo também o Espírito nos ajuda na fraqueza; porque não sabemos o que havermos de pedir como convém, mas o Espírito mesmo intercede por nós com gemidos inexprimíveis" (Rom. 8:26, IBB).
     Ele testifica: "Quando, porém, vier o Consolador, que eu vos enviarei do parte do Pai, o Espírito da verdade, que dele procede, esse dará testemunho de mim" (João 15:26).
     Ele guia: "Então disse o Espírito a Filipe: Aproxima-te desse carro, acompanha-o" (Atos 8:29).
     "Pois todos os que são guiados pelo Espírito de Deus são filhos de Deus." (Rom, 8:14).
      Ele ordena: "E percorrendo a região frígio-gálata, tendo sido impedidos pelo Espírito santo de pregar a palavra na Ásia, defrontando Mísia, tentavam ir para Bitínia, mas a Espírita de Jesus não o permitiu" (Atos 16:6, 7).
     Ele conduz: "Quando vier o Espírito da verdade, Ele vos guiará a toda a verdade; porque não falará por si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido, e vos anunciará as coisas que hão de vir" (João 16:13).
      Ele nomeia: "Cuidem de vocês mesmos e de todo o rebanho. Pois o Espírito Santo os pôs como guardiães do rebanho, para pastorear a Igreja de Deus, que ele comprou por meio do sangue do Seu própria Filho" (Atos 20:28, BLH).
     Pode-se mentir para Ele: "Então disse Pedro: Ananias, por que encheu Satanás o teu coração, para que mentisses ao Espírito Santo, reservando parte do valor do campo? Conservando-o, porventura, não seria teu? E, vendido, não estaria em teu poder? Como, pois, assentaste no coração este desígnio? Não mentiste aos homens, mas a Deus" (Atos 5:3, 4).
     Pode-se insultá-Lo: "De quanto mais severo castigo julgais vós será considerado digno aquele que calcou aos rés o Filho de Deus, e profanou o sangue da aliança com o qual foi santificado, e ultrajou o Espírito da graça?" (Heb. 10:29).
     Pode-se blasfemar contra Ele: "Por isso vos declaro: Todo pecado e blasfêmia serão perdoados aos homens; mas a blasfêmia contra a Espírito Santo não será perdoada. Se alguém proferir alguma palavra contra o Filho do homem ser-lhe-á isto perdoado; mas se alguém falar contra o Espírito Santo, não lhe será isto perdoado, nem neste mundo, nem no porvir" (Mat. 12:31, 32).
     Pode-se entristecê-Lo: "E não entristeçais o Espírito de Deus, no qual fostes seladas para o dia da redenção" (Efés. 4:30).
     Cada uma das emoções e atitudes que alistamos são características de uma pessoa. O Espírito Santo não é uma força impessoal, como a gravidade e o magnetismo. Ele é uma Pessoa, com todos os atributos de uma personalidade.
Billy Graham

sexta-feira, 6 de julho de 2012

Suba no monte

     Abraão e Isaque tinham posturas e decisões muito grandes para tomar. A decisão de fazer aquilo que Deus ordenou envolvia muitos sentimentos, pessoas e perdas. Era preciso acreditar mesmo que Deus estava no controle acontecesse o que acontecesse.    
     Algumas decisões envolvem tantos sentimentos, pessoas e perdas que precisamos daquilo que Abrãao e Isaque tiveram: coragem para subir o monte, confiança para deitar no altar e fé no caráter do Jeová Jirê, o Deus da provisão.
     Minha oração hoje é para que sua vida seja inundada disso em momentos como esse.
     Assista ao vídeo abaixo e deixe Deus fazer isso com você.

Pr. Vanderlei


video
   

terça-feira, 3 de julho de 2012

Vivos (6) prejuízos

     Temos visto aqui a importância daquilo que Jesus chama de nascer de novo. Hoje quero compartilhar com vocês os prejuízos de alguém que não nasce de novo.
          1. Sem o novo nascimento, estamos mortos em nossos delitos e pecados (Efésios 2.1-3).
     Já vimos em posts anteriores que no nascimento recebemos uma vida que não tínhamos antes. Enquanto não a recebemos, continuamos mortos, sem vida espiritual.
          2. Sem o novo nascimento, somos por natureza, filhos da ira (Efésios 2.3) 
     O objetiovo dessa afirmação de Paulo é deixar claro que o problema está não apenas naquilo que fazemos, mas naquilo que somos. Sem o novo nascimento, eu não apenas tenho um problema, eu sou um problema.
          3. Sem o novo nascimento, amamos as trevas e odiamos a luz (João 3.19-20)
     Nenhum ser humano é neutro diante de luz de Deus e nem diante das trevas. Por que? Porque diante das trevas nossa tendências é abraça-la, diante da luz, é rejeita-la.
          4. Sem o novo nascimento, nosso coração é duro como pedra (Efésios 4.18)
     Nossas maiores dificuldades não são nossos problemas e sim nossa dureza e resistência.
          5. Sem o novo nascimento, somos incapazes de nos submeter a Deus e agrada-lo (Romanos 8.7-8)
     O ensino de Paulo deixa claro que, em o Espírito Santo, nossa mente é resistente à autoridade de Deus.
         
     Esses são prejuízos que nos afastam nos propósitos eternos de Deus para nós.
     Minha oração é que nos apeguemos à palavras de Paulo em Efésios 2.4-5: "Todavia, Deus, que é rico em misericórdia, pelo grande amor com que nos amou, deu-nos vida com Cristo, quando ainda estávamos mortos em transgressões - pela graça vocês são salvos."

     Que Deus inunde você com essa realidade e o livre dos prejuízos imensos que uma vida sem Ele pode acarretar. Abra seu coração.

Deus abençoe
Pr. Vanderlei